Enrique Peñalosa: Por que os ônibus representam a democracia em ação.

Ouvi essa palestra hoje, por causa da ideia dos ônibus como símbolo da democracia. Mas decidi guardar aqui por causa dessa outra ideia, que imbrica a propriedade da terra (e portanto a especulação imobiliária) com a possibilidade de fazer cidades mais humanas: “As a Latin American, and Latin America was the most recently organized region in the world, I would recommend, respectfully, passionately, to those countries which are yet to urbanize — Latin America went from 40 percent urban in 1950 to 80 percent urban in 2010 — I would recommend Asian and African countries which are yet to urbanize, such as India which is only 33 percent urban now, that governments should acquire all land around cities. In this way, their cities could grow in the right places with the right spaces, with the parks, with the greenways, with the busways.”

Íntegra da palestra:

Mobility in developing world cities is a very peculiar challenge, because different from health or education or housing, it tends to get worse as societies become richer. Clearly, a unsustainable model. Mobility, as most other developing country problems, more than a matter of money or technology, is a matter of equality, equity. The great inequality in developing countries makes it difficult to see, for example, that in terms of transport, an advanced city is not one where even the poor use cars, but rather one where even the rich use public transport. Or bicycles: For example, in Amsterdam, more than 30 percent of the population uses bicycles, despite the fact that the Netherlands has a higher income per capita than the United States. There is a conflict in developing world cities for money, for government investment. If more money is invested in highways, of course there is less money for housing, for schools, for hospitals, and also there is a conflict for space. There is a conflict for space between those with cars and those without them. Most of us accept today that private property and a market economy is the best way to manage most of society’s resources. However, there is a problem with that, that market economy needs inequality of income in order to work. Some people must make more money, some others less. Some companies succeed. Others fail. Then what kind of equality can we hope for today with a market economy? I would propose two kinds which both have much to do with cities. The first one is equality of quality of life, especially for children, that all children should have, beyond the obvious health and education, access to green spaces, to sports facilities, to swimming pools, to music lessons. And the second kind of equality is one which we could call “democratic equality.” The first article in every constitution states that all citizens are equal before the law. That is not just poetry. It’s a very powerful principle. For example, if that is true, a bus with 80 passengers has a right to 80 times more road space than a car with one. We have been so used to inequality, sometimes, that it’s before our noses and we do not see it. Less than 100 years ago, women could not vote, and it seemed normal, in the same way that it seems normal today to see a bus in traffic. In fact, when I became mayor, applying that democratic principle that public good prevails over private interest, that a bus with 100 people has a right to 100 times more road space than a car, we implemented a mass transit system based on buses in exclusive lanes. We called it TransMilenio, in order to make buses sexier. And one thing is that it is also a very beautiful democratic symbol, because as buses zoom by, expensive cars stuck in traffic, it clearly is almost a picture of democracy at work. In fact, it’s not just a matter of equity. It doesn’t take Ph.D.’s. A committee of 12-year-old children would find out in 20 minutes that the most efficient way to use scarce road space is with exclusive lanes for buses. In fact, buses are not sexy, but they are the only possible means to bring mass transit to all areas of fast growing developing cities. They also have great capacity. For example, this system in Guangzhou is moving more passengers our direction than all subway lines in China, except for one line in Beijing, at a fraction of the cost. We fought not just for space for buses, but we fought for space for people, and that was even more difficult. Cities are human habitats, and we humans are pedestrians. Just as fish need to swim or birds need to fly or deer need to run, we need to walk. There is a really enormous conflict, when we are talking about developing country cities, between pedestrians and cars. Here, what you see is a picture that shows insufficient democracy. What this shows is that people who walk are third-class citizens while those who go in cars are first-class citizens. In terms of transport infrastructure, what really makes a difference between advanced and backward cities is not highways or subways but quality sidewalks. Here they made a flyover, probably very useless, and they forgot to make a sidewalk. This is prevailing all over the world. Not even schoolchildren are more important than cars. In my city of Bogotá, we fought a very difficult battle in order to take space from cars, which had been parking on sidewalks for decades, in order to make space for people that should reflect dignity of human beings, and to make space for protected bikeways. First of all, I had black hair before that. (Laughter) And I was almost impeached in the process. It is a very difficult battle. However, it was possible, finally, after very difficult battles, to make a city that would reflect some respect for human dignity, that would show that those who walk are equally important to those who have cars. Indeed, a very important ideological and political issue anywhere is how to distribute that most valuable resource of a city, which is road space. A city could find oil or diamonds underground and it would not be so valuable as road space. How to distribute it between pedestrians, bicycles, public transport and cars? This is not a technological issue, and we should remember that in no constitution parking is a constitutional right when we make that distribution. We also built, and this was 15 years ago, before there were bikeways in New York or in Paris or in London, it was a very difficult battle as well, more than 350 kilometers of protected bicycle ways. I don’t think protected bicycle ways are a cute architectural feature. They are a right, just as sidewalks are, unless we believe that only those with access to a motor vehicle have a right to safe mobility, without the risk of getting killed. And just as busways are, protected bikeways also are a powerful symbol of democracy, because they show that a citizen on a $30 bicycle is equally important to one in a $30,000 car. And we are living in a unique moment in history. In the next 50 years, more than half of those cities which will exist in the year 2060 will be built. In many developing country cities, more than 80 and 90 percent of the city which will exist in 2060 will be built over the next four or five decades. But this is not just a matter for developing country cities. In the United States, for example, more than 70 million new homes must be built over the next 40 or 50 years. That’s more than all the homes that today exist in Britain, France and Canada put together. And I believe that our cities today have severe flaws, and that different, better ones could be built. What is wrong with our cities today? Well, for example, if we tell any three-year-old child who is barely learning to speak in any city in the world today, “Watch out, a car,” the child will jump in fright, and with a very good reason, because there are more than 10,000 children who are killed by cars every year in the world. We have had cities for 8,000 years, and children could walk out of home and play. In fact, only very recently, towards 1900, there were no cars. Cars have been here for really less than 100 years. They completely changed cities. In 1900, for example, nobody was killed by cars in the United States. Only 20 years later, between 1920 and 1930, almost 200,000 people were killed by cars in the United States. Only in 1925, almost 7,000 children were killed by cars in the United States. So we could make different cities, cities that will give more priority to human beings than to cars, that will give more public space to human beings than to cars, cities which show great respect for those most vulnerable citizens, such as children or the elderly. I will propose to you a couple of ingredients which I think would make cities much better, and it would be very simple to implement them in the new cities which are only being created. Hundreds of kilometers of greenways criss-crossing cities in all directions. Children will walk out of homes into safe spaces. They could go for dozens of kilometers safely without any risk in wonderful greenways, sort of bicycle highways, and I would invite you to imagine the following: a city in which every other street would be a street only for pedestrians and bicycles. In new cities which are going to be built, this would not be particularly difficult. When I was mayor of Bogotá, in only three years, we were able to create 70 kilometers, in one of the most dense cities in the world, of these bicycle highways. And this changes the way people live, move, enjoy the city. In this picture, you see in one of the very poor neighborhoods, we have a luxury pedestrian bicycle street, and the cars still in the mud. Of course, I would love to pave this street for cars. But what do we do first? Ninety-nine percent of the people in those neighborhoods don’t have cars. But you see, when a city is only being created, it’s very easy to incorporate this kind of infrastructure. Then the city grows around it. And of course this is just a glimpse of something which could be much better if we just create it, and it changes the way of life. And the second ingredient, which would solve mobility, that very difficult challenge in developing countries, in a very low-cost and simple way, would be to have hundreds of kilometers of streets only for buses, buses and bicycles and pedestrians. This would be, again, a very low-cost solution if implemented from the start, low cost, pleasant transit with natural sunlight. But unfortunately, reality is not as good as my dreams. Because of private property of land and high land prices, all developing country cities have a large problem of slums. In my country of Colombia, almost half the homes in cities initially were illegal developments. And of course it’s very difficult to have mass transit or to use bicycles in such environments. But even legal developments have also been located in the wrong places, very far from the city centers where it’s impossible to provide low-cost, high-frequency public transport. As a Latin American, and Latin America was the most recently organized region in the world, I would recommend, respectfully, passionately, to those countries which are yet to urbanize — Latin America went from 40 percent urban in 1950 to 80 percent urban in 2010 — I would recommend Asian and African countries which are yet to urbanize, such as India which is only 33 percent urban now, that governments should acquire all land around cities. In this way, their cities could grow in the right places with the right spaces, with the parks, with the greenways, with the busways. The cities we are going to build over the next 50 years will determine quality of life and even happiness for billions of people towards the future. What a fantastic opportunity for leaders and many young leaders to come, especially in the developing countries. They can create a much happier life for billions towards the future. I am sure, I am optimistic, that they will make cities better than our most ambitious dreams.

Direitos constituídos… e destituídos.

Paulo Roberto Bruno, preso no Rio de Janeiro, dia 15 de outubro, porque estava em uma manifestação. Prá quem acha que cadeia é o remédio para o país, é bom ler e pensar quem prende, quem é preso e o que é uma cadeia. E pensar que a garantia de direitos para todos, de cumprimento da lei, não é briga eleitoral. É briga por um país justo. Não pode haver regime de exceção e arbitrariedade. Para o meio milhão de pessoas que estão hoje nas cadeias do Brasil, para manifestantes, para nós. Tem que haver um direito constituído.

“Se você está na mão do Estado, está refém do Estado. Estamos em situação de fragilidade. Hoje os grupos mais conservadores estão unidos em torno de um projeto que, a pretexto de viabilizar a Copa do Mundo e as Olimpíadas, visa frear manifestações para assegurar o uso da máquina e dos recursos públicos para garantir os grandes investimentos, o lucro, a expropriação de terras. Não temos certeza se, quando formos a julgamento, podemos ganhar. Essa sociedade democrática que a gente vive é para quem não está dentro desse sistema prisional, só serve para quem nunca passou por lá. Depois que você cai ali, vê que é tudo muito frágil. No escravismo brasileiro, até o século XIX, os escravos que cometiam os ‘crimes’ de fuga das fazendas ou atentado ao ‘seu senhor’, por exemplo, eram marcados/queimados com a letra ‘F’. Algo aparentemente superado historicamente se repete com a ‘marca’ que a ‘passagem’ pelo ‘sistema’ deixa em nós. Qualquer um pode ser pinçado, cair ali e pronto! O objetivo dos grupos que controlam as estruturas de poder do Estado é ter você na mão e prorrogar esse processo por anos. Qualquer um de nós, se voltar, com certeza, terá outro tratamento. Eles nos avisaram! Há os que ainda acreditam na possibilidade da luta, garantida nos ‘direitos constituídos’. Penso que não tem mais direito constituído…”

Postado no Facebook pela Helena Palmquist: http://www.epsjv.fiocruz.br/index.php?Area=Entrevista&Num=76

Jeremy Hammond pegou dez anos de cadeia

Esta é a tradução livre* de um artigo de Natasha Lennard, da Salon, sobre a prisão de Jeremy Hammond, hacktivista condenado a dez anos de cadeia por revelar informações hackeadas da Stratfor, empresa de “inteligência privada” — espionagem. Traduzi porque acho, como escreveu o Pablo Ortelado, que publicar informação que deveria ser pública é hoje quase tão arriscado quanto aderir à luta armada. Aqui está a declaração que Hammond leu no tribunal, onde conta o que fez e porquê fez. Vale a pena a leitura.

Jeremy Hammond pegou dez anos de cadeia
Estou com dificuldade de digitar isso; meus dedos tremem, meu pulso está acelerado. Estou furiosa. Há alguns minutos, o hacktivista Jeremy Hammond recebeu sua sentença em uma corte federal de Manhanttan. Dez anos de prisão por ter participado de um hack que revelou alguns dos aspectos mais suspeitos da indústria privada de inteligência.

Hammond tem 28 anos. No início deste ano, declarou-se culpado pela participação no hack feito pelos Anonymous nos dados da empresa de vigilância Strategic Forecasting (Stratfor). Ativista em Chicago há muitos anos, não obteve nenhum ganho pessoal com o hack; ele sempre manteve a afirmação de que atuou de acordo com o que era, em sua avaliação, o interesse público. As revelações sobre a Strafor sustentam esta afirmação: é realmente de interesse do público saber que a Dow Chemicals pagou uma empresa de segurança privada para perseguir e pressionar pessoas que lutavam pelo reconhecimento do desastre de Bhopal e pela indenização das vítimas; também é interesse público saber que a Coca Cola contratou a Stratfor para espionar ativistas da Peta; que o Departamento de Segurança Nacional usou a empresa para espionar ativistas do Occupy. Tudo isso veio a público por causa do hack da Stratfor. E a realidade é tal, que a atividade da empresa é apoiada e encorajada pela lei e o trabalho de Hammond, punido com uma sentença de dez anos de cadeia.

Hammond se confessou culpado de um crime; já cumpriu 18 meses em uma prisão federal, a maior parte em solitária. Mas não deveria haver confusão entre o fato de suas ações serem legais ou não e o de serem ou não éticas. Este país seria ainda mais sombrio do que é hoje se não houvesse, em sua história, pessoas dispostas a agir fora da lei em defesa do que consideram correto. Também vale a pena enfatizar que a lei pela qual Hammond é punido se enquadra no desatualizado e perigosamente reusado Ato de Fraudes e Abusos Cibernéticos (Computer Fraud and Abuses Act, CFAA) — a mesma legislação, criada em 1996, que ameaçou colocar Aaron Swartz na cadeia por décadas, antes de o jovem programador cometer suicídio. Em sua sentença, sexta-feira, Hammond leu uma declaração (aqui, na íntegra) na qual explicou por que decidiu agir fora da lei ao hackear a Stratfor e outras corporações:

“Poderia ter alcançado os mesmos objetivos por meios legais? Tentei de tudo, de abaixo-assinados e campanhas eleitorais a manifestações pacíficas, e descobri que os que estão no poder não querem que a verdade seja exposta. Quando dizemos a verdade ao poder, somos ignorados, no melhor dos casos; ou brutalmente reprimidos, no pior. Estamos em luta contra uma estrutura de poder que não respeita nem os seus próprios mecanismos de fiscalização e equilíbrio, imaginem se respeitam os direitos dos seus próprios cidadãos ou a comunidade internacional. (…) Na prisão, vi com meus próprios olhos a feia realidade de como o sistema de justiça criminal destrói a vida de milhões de pessoas encarceradas. A experiência tornou ainda mais sólida minha oposição a formas repressivas de poder e a importância de lutar pelo que se acredita.”

A luta de Hammond é parte de uma ‘guerra epistêmica’, como definiu o filósofo Peter Ludlow. Há uma batalha ideológica em curso entre os que querem controlar a informação e aqueles que querem compartilhá-la e criar uma esfera pública bem informada, dando-lhe poder. A aposta, como sabem Chelsea Manning e Hammond, é alta. “Eu tive que me perguntar, ‘se Chelsea Manning caiu no pesadelo abissal da prisão pela verdade, eu poderia, em sã consciência, fazer menos, se pudesse?’ Achei que a melhor forma de demonstrar solidariedade seria continuar o trabalho de expor e confrontar a corrupção”

Sim, o hacktivista infringiu a lei; assumiu isso e essa infração justificaria alguns meses de prisão. Mas, se há alguma dúvida sobre quanto a punição de Hammond é ideológica, levem em conta que hackers que se admitiram culpados pelo envolvimento no mesmo hack mas foram julgados no Reino Unido receberam sentenças menores que 30 meses, muitas delas a serem cumpridas em condicional. A sentença de 120 meses de Hammond é um lembrete assustador de até onde o governo dos EUA pode ir para esmagar dissidentes e punir desafios ao Estado corporativo de vigilância.

“Estou consciente de que posso ser condenado a até dez anos, mas espero que não. Acredito que há muita coisa a fazer”, disse Hammond – e recebeu dez anos. Há muito trabalho duro a se fazer.

Natasha Lennard é editora assistente da revista Salon. Seu twitter: @natashalennard, seu e-mail: nlennard@salon.com.

* Obrigada ao Murilo, que revisou a tradução.

O jogo da cidade

Leonardo Cisneiros, professor nas áreas de Filosofia da Ciência e Ética/Bioética da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), é um dos integrantes do grupo Direitos Urbanos | Recife, uma comunidade composta por mais de 10 mil pessoas que discute como sua cidade pode crescer, mudar, e ao mesmo tempo se tornar mais humana. O grupo se formou em 2012 e desde então debateu, se manifestou, interveio em várias iniciativas do poder público e do setor imobiliário em Recife. Mandei essas perguntas a ele para escrever, no blog Caixa Preta, a coluna sobre o uso da Lei de Acesso à Informação nos debates sobre o uso das cidades, seu planejamento, sua ocupação. Agora mesmo está rolando um debate, na página da comunidade, sobre comércio nas calçadas. As respostas de Leonardo são tão ricas – falam da atividade do grupo, do uso das redes sociais, de obras de impacto na cidade – que, além de usar a entrevista para meu texto, decidi publicá-la na íntegra. Aqui vai.

Quando se formou o Diretos Urbanos | Recife (DU)?

A data “oficial” de criação é a audiência pública sobre o Novo Recife realizada em março de 2012, que foi um primeiro grande momento político, no qual muita gente que se conhecia online se conheceu offline, muitas redes se formaram. O grupo no Facebook, com esse nome, foi criado no dia seguinte. Mas a realização da audiência já foi o resultado das articulações de alguns grupos que atuavam desde o final de 2011. Eu conheci Ana Paula Portela, uma das criadoras do grupo (conto a partir daí o surgimento extra-oficial do DU) por causa da oposição espontânea, surgida no Facebook, a um projeto de lei higienista que proibia beber nas ruas, mesas nas calçadas, colocava limite de horário de funcionamento de bares etc. A vereadora que propôs o projeto comemorou na sua página do Facebook a aprovação na primeira votação e a sua página acabou virando o lugar para expressar todo descontentamento com o projeto. Depois houve uma censura a vários comentários. Por isso foi criado um grupo para continuar a articular a oposição ao projeto. Esse grupo formou a base do grupo que hoje é o DU. E o tema, apesar de parecer desconexo à primeira vista, já antecipava algumas preocupações nossas, como o combate ao higienismo e elitização que vem nessas propostas e uma valorização do espaço público. Um erro fundamental do PL era combater a violência nas ruas esvaziando as ruas ainda mais. É a mesma lógica do prédio cercado por muros de sete metros…

 

As primeiras informações sobre o projeto Novo Recife, de construção de 13 torres no Cais José Estelita, não vieram do poder público. Como vocês ficaram sabendo do projeto?

Existiam algumas notícias aqui e ali na imprensa, praticamente na forma de uma publicidade. Já se falava do projeto, sem muito alarde, desde 2008. Um dos integrantes do DU, Bernardo Jurema, já tinha um texto criticando o Novo Recife, datado de 2008. Alguns outros grupos contrários ao projeto existiam antes de a gente começar a discuti-lo. O que levou a gente a articular a realização de uma audiência e a procurar o Ministério Público foi uma notícia de que o projeto estava para começar a ser construído, no começo de 2012. Isso acendeu o alerta, algumas pessoas foram atrás da promotoria de urbanismo e de vereadores conhecidos. E nesse momento se formou a massa crítica para uma resistência de verdade do projeto. Vários elementos se aglutinaram nessa época: o pessoal que vinha da crítica ao “PL da Lei Seca”, um pessoal que lutava pelo tombamento de um prédio em Boa Viagem, os outros grupos que discutiam o Cais José Estelita, a promotora do meio ambiente e patrimônio histórico, Belize Câmara, o professor Tomás Lapa.

 

Por que o primeiro pedido de acesso a informação, com base na Lei de Acesso à Informação Pública, é de outubro de 2012? E por que não é um pedido específico sobre o projeto Novo Recife, e sim uma tentativa de enxergar também outros projetos de impacto? O debate sobre o Novo Recife havia começado pelo menos em março. A Lei de Acesso começou a vigorar em maio, mas antes se podia fazer pedidos com base na Constituição. Quando e por que caiu a ficha de “vamos usar a Lei de Acesso”?

Apesar de eu ter acompanhado com muito interesse o final da discussão da Lei de Acesso à Informação, sua aprovação etc. confesso que, logo após a sua entrada em vigor, não sabia bem como seriam os procedimentos específicos. Este primeiro pedido deve ser mais ou menos da época em que a Prefeitura disponibilizou um meio para fazer a solicitação online. Foi fruto de alguma discussão sobre o valor das contrapartidas exigidas aos empreendimentos e também da intenção de fazer uma avaliação global do estrago que o último prefeito causou na cidade. Aí pensei “pô, vamos ver se essa Lei de Acesso funciona..” Foi algo sem muita esperança, só pra testar mesmo, porque eu não esperava nenhuma transparência da parte da gestão passada. Até fiquei surpreso quando a resposta chegou (com atraso). Quanto ao Novo Recife, a gente se valeu sim de outros mecanismos. Nossa advogada entrou com um pedido de acesso à informação baseado na Lei da Ação Popular, não me lembro bem em que data. E Cristina Gouvea e Clara Moreira também conseguiram acesso ao processo de análise e ao projeto diretamente na prefeitura. Eu não usei a Lei de Acesso para o Novo Recife porque o pessoal que estava trabalhando na parte judicial trabalhava no maior isolamento possível das atividades diárias do DU, até para evitar vazamentos de estratégia. Mas é interessante notar que houve um episódio “wikileaks” já perto das reuniões do Conselho de Desenvolvimento Urbano que “aprovaram” o projeto: alguém conseguiu numa parte restrita do site da própria construtora o Memorial de Impacto do Novo Recife, com todas as plantas digitalizadas, todos os detalhes do empreendimento,  colocou o arquivo em um site de compartilhamento de arquivos e publicou o link no DU. As informações desse Memorial foram bem importantes até para mostrar como o projeto é medíocre e, com elas, vários defensores do projeto viraram críticos.

 

Não entendi se há uma relação direta – além das questões de princípio sobre como planejar a cidade e intervir nela – entre os Viadutos da Agamenon e o Novo Recife. Há? Por que eles são importantes?

A ligação, como você já disse, é a intervenção violenta e míope sobre a cidade, sem planejamento e discussão com a população, pensando no curto prazo e partir de uma visão fragmentária da cidade. O Novo Recife é pensado como se aquele terreno fosse um lote qualquer, sem considerar a importância da área no contexto de toda a cidade e o impacto que um projeto mal pensado pode causar sobre toda a cidade. Os viadutos eram uma gambiarra voltada para o transporte motorizado, uma solução de curto prazo, mas caríssima, e que desconsiderava toda uma série de aspectos de uma cidade além da fluidez do carro. Eram um atentado contra o pedestre, contra o ciclista, uma destruição da vitalidade urbana do entorno em nome de uma lógica rodoviária. Isso ficou muito claro em vários bons textos e um grupo de arquitetos e engenheiros conseguiu convencer o governo de que o projeto seria uma cicatriz no meio da cidade. Mas o governo teve que elaborar uma desculpa técnica para disfarçar o recuo e compor com os vários interessados no projeto dentro da gestão. Então apresentaram essa versão de que os estudos de impacto tinham apontado os viadutos como a melhor solução, mas que os transtornos da fase de construção recomendavam o “adiamento” do projeto. Foi por causa dessa ambiguidade que insisti na solicitação de acesso aos estudos de impacto (que tinha sido feita antes do anuncio do governo).

 

Vocês acabaram, como dizem na carta ao prefeito Geraldo Júlio, se envolvendo em debates que vão além do urbanismo e do direito à cidade. Discutem também a moralidade administrativa. E o acesso a informações públicas. Qual a importância da Lei de Acesso – e de sua regulamentação no município – para levar a frente mobilizações (movimentos, coletivos, comunidades, intervenções… qual é a palavra?) como o DU?

Chegamos até aí porque, é óbvio, esse modelo de cidade cada vez mais insustentável e excludente não é um resultado só da atitude predatória dos empresários da construção civil, mas muito mais de uma falha institucional catastrófica: leis ultrapassadas, um plano diretor que não foi regulamentado e cujo conteúdo foi bastante modificado em relação ao projeto aprovado nas conferências da cidade, audiências públicas meramente teatrais, uma prefeitura que acha o direito de construir um direito absoluto e por aí vai. Mas, mesmo quando a lei está no lado do interesse coletivo, existem os casos em que ele é simplesmente ignorada e nada acontece.

 

Que outros projetos o grupo discutiu?

Além dos casos mais conhecidos, o Novo Recife e o dos viadutos, houve um caso grave em que não pudemos fazer muita coisa: o governo iniciou um projeto de navegabilidade no Rio Capibaribe sem realizar um estudo de impacto ambiental para a parte da dragagem do rio, mesmo com o risco de revirar dejetos industriais tóxicos depositados durante décadas. O Ministério Público, com a promotora Belize ainda na promotoria de meio-ambiente, interveio e conseguiu um acordo, liberando o início das obras em troca da realização de uma audiência pública, enquanto analisava se um plano realizado pelo governo valia como um Estudo de Impacto Ambiental e decidia pela liberação definitiva. Resultado: o plano não valia nada como estudo de impacto, Belize foi limada da promotoria, o governo aprovou em um mês uma lei autorizando o desmatamento de uma Área de Preservação Permanente para o depósito dos restos da dragagem e a audiência nunca foi feita.

Em outro caso desse ano, com alguma repercussão na imprensa local graças ao DU, descobrimos em cima da hora que um túnel seria construído, perto de um sobrado tombado a nível federal, sem a anuência do IPHAN e demolindo imóveis dentro de uma zona de proteção por lei municipal. Foi uma correria no dia, corremos para o local para fotografar a demolição, para o IPHAN, para o órgão da prefeitura e conseguimos pelo menos que o IPHAN emitisse um embargo à obra do túnel. Mas a demolição deveria ser embargada pela prefeitura. E na falta de ação da prefeitura, o governo do estado correu para tornar o fato irreversível. (a história está melhor relatada aqui: http://cadernorecifense.blogspot.com/2013/05/tunel-da-abolicao-governo-derrubou.html). E, com um pedido de acesso à informação satisfatoriamente respondido pela Prefeitura (o de protocolo  nº201300038330280), conseguimos mostrar que a obra não teve a anuência do órgão que poderia autorizar demolição num setor com aquele tipo de proteção. Agora é tarefa do Ministério Público investigar a ocorrência de crime contra o patrimônio histórico.

 

E qual a utilidade da Lei de Acesso à Informação, para vocês?

Para nós, a Lei de Acesso, em primeiro lugar, uma importância instrumental grande para atestar as irregularidades que desconfiamos existir em diversos empreendimentos. A vantagem de uma Lei de Acesso é que o trabalho de fiscalização, de controle da administração pública, pode ser crowdsourced, compartilhado, isto é, pode se tornar um trabalho distribuído pelos cidadãos. É algo que já ajuda bastante os promotores de justiça realmente comprometidos com o trabalho. Quando um promotor quer mesmo ir atrás de apenas um dos problemas citado acima, precisa estudar muito, ir atrás de muita informação, para preparar uma ação judicial com boas chances. Então o trabalho em rede ajuda bastante. Outra vantagem da Lei de Acesso é permitir que a gente se antecipe melhor aos problemas. Não ajuda tanto quanto uma transparência ativa em relação a certo tipo de projeto ajudaria, mas permite confirmar algumas desconfianças e tentar começar a agir antes do fato consumado.

 

“Foi precisamente com o intuito de conferir transparência à atuação do Ministério Público em matéria que a todos interessa (ou ao menos deveria interessar), que houve disponibilização nas redes de algumas atividades que poderiam ser simplesmente encontradas no Diário Oficial. A finalidade maior era, sem dúvidas, colher informações, prestar contas e, por que não, alimentar, estimular e disseminar o trabalho do Ministério Público” — Trecho da carta da promotora Belize Câmara, depois de seu afastamento da Promotoria de Meio Ambiente e Patrimônio Histórico do Recife e sua transferência para Jaboatão. Em algum momento ela foi “acusada” de “vazar” informações?

A promotora Belize usava o Facebook de forma muito útil para ampliar sua capacidade de atuação, principalmente em uma promotoria abarrotada por uns quatrocentos processos. Houve um caso, até noticiado na imprensa, de uma denúncia no DU de um corte de uma árvore de grande porte, em que Belize foi ao local no mesmo dia, conseguiu adiar o corte da árvore, instaurou um inquérito civil sobre as regras de corte de árvores da Prefeitura. Nisso se chegou a vários acordos e recomendações sobre a legislação ambiental. E como este, houve vários outros casos de providências imediatas a partir de denúncias no Facebook. Mas mais interessante do que usar o Facebook como canal para denúncias, era usar a rede pelo poder do wisdom of crowds, da sabedoria das massas: os vários conhecimentos presentes no DU acabavam tornando muito mais fácil para ela a obtenção das informações necessárias para os mais diversos assuntos. Por fim, as redes sociais também permitiam que ela publicasse informações que já eram públicas, como portarias de instauração de inquéritos ou recomendações, em canais mais acessados pela população do que o Diário Oficial. Então as redes sociais eram um instrumento que a permitia multiplicar seu poder de trabalho em relação à atuação mais tradicional de um promotor. Ela era uma verdadeira promotora do século XXI. Mas, como era de se esperar, ainda mais num estado com uma comunidade jurídica em geral tão conservadora como Pernambuco, esse tipo de atuação não era tão bem aceito. Oficialmente não houve qualquer menção a isso. As acusações mais explícitas vieram de um blogueiro chapa-branca e pró construtoras do portal de notícias ligado ao maior jornal da cidade.

 

De quem é esta cidade? De quem é este lugar?

Eita. Isso não é só uma pergunta, é justamente o que está em jogo, é o mote de toda a briga que vem acontecendo. A resposta é o que a gente está tentando construir, batendo de frente com quem quer construir outra resposta. Eu só sei que o modelo de “progresso” e “desenvolvimento” que vem construindo Recife, com as promessas recentes de uma cidade reluzente para turistas e para a classe A, não é um modelo para todos da cidade. E o que fica de fora não é só a população pobre, que as empreiteiras querem expulsar das ZEIS na área central para os subúrbios, mas tudo o que não se conforma numa idéia importada e impostada de uma cidade perfeita: tudo o que é diferente, tudo o que dá identidade e densidade histórica ao Recife e até aquela coisa fora do lugar, aquela sujeira que diz que aquilo é uma cidade de verdade e não um cenário plastificado de uma novela.

 

Onde os justos não têm vez

Receita de óleo de andiroba, por Maria do Espírito Santo.

Receita de óleo de andiroba, por Maria do Espírito Santo.

Julgamento inocentou o mandante do assassinato dos extrativistas Zé Cláudio e Maria do Espírito Santo. No assentamento onde viviam, o conflito continua e a irmã de Maria está ameaçada de morte.

Naquela terça-feira, dia 24 de maio de 2011, quando saiu cedo para trabalhar, Nilton José Ferreira de Lima vivia há seis meses no assentamento Praia Alta Piranheira, em Nova Ipixuna, no Pará. Pegou suas ferramentas e foi para uma das estradas vicinais do lugar, para consertar uma cerca. “Eu estava trabalhando e chegou um velhinho, o seu Zé, da mesma fazenda onde eu trabalhava. Encostou na frente e começou a conversar comigo”. Perto das oito da manhã, uma moto Honda Gross vermelha, com motorista e garupa, parou na beira da estrada. O motorista perguntou onde era a saída para o Porto do Barroso. Nilton não sabia, mas seu Zé explicou. A moto disparou e, naquele momento, a vida de Nilton começou a mudar.

“Preciso sair daqui”, ele pensou naquele mesmo dia, na hora do almoço, quando soube que Zé Cláudio e Maria do Espírito Santo, casal de extrativistas que morava no assentamento, haviam sido mortos. Foram emboscados e assassinados a tiros de escopeta, perto das oito da manhã, a sete quilômetros de onde Nilton consertava a cerca. Ele não conhecia o casal. Mas assim que soube do crime, ligou a cena da moto com a de uma conversa no domingo anterior, no Bar do Esquinão, que pertencia à sua sogra. A conversa havia sido com a pessoa que dirigia a moto vermelha. Nilton teve medo.

José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva eram ambientalistas e participaram da criação do Projeto de Assentamento Extrativista (PAE) Praia Alta-Piranheira. Defendiam a ideia original do projeto, de encontrar meios para que assentados vivessem na e da floresta, em vez de destruí-la. “Tinha muito a ver com as reservas extrativistas que vinham sendo criadas na Amazônia, principalmente no Acre”, explica o sociólogo Raimundo Gomes, do Centro de Educação, Pesquisa e Assessoria Sindical e Popular (Cepasp) de Marabá.

Raimundo trabalhou na criação do assentamento, em 1997. “Ainda vivíamos ardorosamente e intensamente o legado de Chico Mendes. Defendíamos que a alternativa para os pequenos era viver dos recursos múltiplos da floresta e não derrubá-la para transformar em pastagem. Até porque os que transformaram as matas em pastagens, nas áreas de colonização, depois tiveram que vender a terra para fazendeiros”, explica. Chico Mendes viveu no Acre. Era extrativista e ambientalista e foi assassinado em 1988. Seu rosto, sorridente, está estampado até hoje na frente da casa de madeira de Zé Claúdio e Maria, abandonada desde que foram mortos. “Chico Mendes Vive!”, diz o cartaz. Ele era uma referência para os dois.

Gerar renda a partir do extrativismo dos frutos da floresta não era algo estranho à região, diz Raimundo. Havia plantios consorciados, de cupuaçu, castanha, açaí entre os rios Praia Alta e Piranheira. E havia coleta de frutos na mata: castanha, açaí, cupuaçu, bacaba, óleo de copaíba e andiroba. Mas a ideia de sobreviver assim estava longe de ser comum. “Antes deles chegarem, antes do projeto, a gente tinha nosso à vontade. Tínhamos paz”, conta João Nascimento, que vive na área desde 1985. “Depois entrou madeireiro, chegou o carvão, começou a perseguição de Zé Cláudio a todo mundo para não derrubar, para não vender árvore. Ficou uma situação de quase… fome a gente não passa porque planta para sobreviver. Mas dinheiro para adquirir coisas ficou difícil”, contou João, em depoimento para o inquérito sobre o assassinato. Havia desentendimentos entre o casal e os assentados que queriam vender madeira. João vendia madeira. Castanheiras, por exemplo, vendia a R$ 400,00 a árvore. “Mas ainda quatro, de meus dez alqueires, tem floresta”, diz ele. Zé Cláudio ofendia as pessoas, reclama João. Ao mesmo tempo, conta que “eles defendiam a natureza, a obrigação deles era essa mesma”.

No dia 27 de abril de 2011, pouco menos de um mês antes de ser morto, Zé Cláudio fez uma palestra no TEDx Amazônia. Disse que quando o PAE foi criado, possuía 85% de cobertura nativa. Floresta, onde havia muita castanha e cupuaçu. “Hoje, com a chegada das madeireiras e das guseiras [indústrias de ferro-gusa] de Marabá, resta pouco mais de 20% dessa cobertura, já fragmentada em muitos lugares. É um desastre para quem vive do extrativismo como eu, que sou castanheiro desde os sete anos de idade. Vivo da floresta, protejo ela de todo jeito. Por isso, eu vivo com a bala na cabeça a qualquer hora.”

Nilton não estava envolvido neste embate quando decidiu sair do assentamento, naquele maio de 2011. Provavelmente nem conhecia esta história. Ele foi embora porque se lembrou do motorista da moto, com quem havia conversado no Bar do Esquinão, dois dias antes. Achou que o desconhecido estava ligado ao assassinato e, naquela mesma semana, foi para Jacundá, a 55 quilômetros de Nova Ipixuna. Três dias depois, a Polícia Federal o encontrou lá. Queriam seu depoimento na investigação das mortes. E ele contou o que havia visto.

No domingo, 22 de maio, Nilton estava no Esquinão, que fica a cerca de dois quilômetros do local do crime. Dois homens de moto encostam no bar. Era uma motocicleta Honda Bross sem placa, com pneu borrachudo. “O moreno, sentado no banco sentido para Ipixuna, não deu muito o rosto para a gente ver. Mas o outro conversou bastante comigo. Eu estava falando com meus amigos sobre meu tornozelo. Estava com dois meses que eu tinha fraturado o tornozelo e já tava trabalhando. E ele entrou em assunto, em conversa comigo. Falou que tinha fraturado também uma canela.”

O nome do motorista, Nilton soube depois, era Lindonjonson Silva Rocha. “Achei estranho porque não reconheci eles naquele local, naquela região.” E como foi a conversa? “Ele pergunta para onde aquela estrada saía. E minha sogra fala ‘ixi, eu tenho uma terrinha ali na frente, nessa estrada, e ela é ruim demais’. Aí ele pergunta ‘e essa outra vicinal?’ E minha sogra diz ‘essa sai para Vila Belém, para Volta Redonda’, as vilas próximas. Eles ficaram mais ou menos vinte minutos. E eu fiquei olhando bastante para ele. Olhava para ele, assim, aí ele me encarava. Foi assim que eu identifiquei o rosto dele, o corpo, todo, e pude fazer a foto falada.”

Era isso que a polícia queria: pedir a Nilton que ele fizesse um retrato falado da pessoa com quem tinha conversado no bar. “Aí eu fiz. E eles conseguiram rastrear a identidade do Lindonjonson e me mostraram. E perguntaram se era parecido com aquele cara. Eu falei ‘não é parecido não. Era esse cara mesmo que estava lá’. Aí o delegado de Belém, da Civil, falou para mim assim: ‘esse cara tem a perna quebrada, ele fraturou a canela na mesma época que você falou’. E a polícia foi ajuntando as peças.”

O testemunho de Nilton, quase dois anos depois, nos dias 3 e 4 de abril, no Tribunal do Júri de Marabá, foi fundamental para a condenação de Lindonjonson Silva Rocha pelo assassinato. Foi seu depoimento que colocou Lindonjonson na cena do crime, enquanto a defesa argumentava que ele estava, na verdade, em Novo Repartimento, onde os pais moram e onde ele morava também. Mas por que Lindonjonson teria saído de lá, do outro lado do Rio Tocantins, do outro lado do lago de Tucuruí, para matar duas pessoas em Nova Ipixuna? Aqui entra a outra peça que a polícia juntou durante a investigação: o irmão de Lindonjonson, José Rodrigues Moreira, acusado de ser o mandante do crime.

José Rodrigues vendeu suas terras em Novo Repartimento, por R$ 130 mil. E comprou, por R$ 100 mil, dois lotes no PAE Praia Alta Piranheira, mais perto de Marabá. Queria recomeçar a vida no lugar onde sua irmã já morava há muitos anos. E iniciou uma criação de gado no local, 130 cabeças. Formar fazendas de gado dentro do PAE é contrário à sua vocação inicial. As circunstâncias em que ele comprou essas terras, dentro de um assentamento em que terras não podem, por lei, ser compradas e vendidas, serão apuradas em um inquérito do Ministério Público Federal. No inquérito e no julgamento, José Rodrigues diz que não pagou pelas terras, e sim pelas benfeitorias — embora não houvesse, de acordo com posseiros que viviam nos lotes, benfeitoria alguma. Pagou a quem? “Ao Dorival de Jesus. Minha sogra pagou pela benfeitoria de outro lote à dona Julyete”, afirmou, “eles eram os donos e estavam desistindo das terras”.

Há uma versão diferente da de José Rodrigues para a histórias desses lotes, no entanto. Uma versão documentada.  “Em 25 de maio de 2005, Maria do Espírito Santo Silva, à época, presidente da Associação do Projeto de Assentamento Agroextrativista Praia Alta Piranheira, encaminhou ofício à então Superintendente do Incra de Marabá, Bernadete Ten Caten, denunciando que, naquela data, Neusa Maria Santis (cartorária de Marabá), comprou ilegalmente uma área no interior do referido projeto de assentamento. Maria do Espírito Santo, anexa ao ofício, documento detalhado, apontando que Neusa Santis, estava utilizando ‘laranjas’ para garantir o controle da área. As pessoas usadas como ‘laranjas’ eram Julyete Teixeira de Sousa, Guido Rodrigues Figueiredo e Vera Lúcia Morais Santis. Denuncia, ainda, que todos os ‘laranjas’ foram ilegalmente assentados pelo Incra e receberam créditos.” Este texto é o início de uma denúncia feita pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura e pela Comissão Pastoral da Terra, em março de 2013, ao Ministério Público Federal do Pará.

No lote comprado pela sogra de José Rodrigues havia posseiros. Francisco Tadeu Vaz e Silva, o Tadeu, era um deles. Havia limpado terreno, plantado arroz, mandioca, pepinos. Queria morar ali e preparava a terra para receber o restante de sua família, ele conta. Ficou na terra até o dia em que chegaram a Polícia Civil, José Rodrigues e um fazendeiro chamado Gilzão para expulsá-lo, sem mandado algum de reintegração e nenhuma denúncia contra ele. Pegou as coisas, saiu levado no carro da polícia. Negociou com José Rodrigues receber R$ 3 mil pelo trabalho que havia feito no lote, mas nunca recebeu. Zequinha, que era posseiro em outro pedaço do lote, teve sua casa queimada. “Ele era acusado de pedofilia com a filha dele, de menor, de doze anos”, diz José Rodrigues. “Por isso, botei fogo no barraco dele.” Houve ma denúncia contra Zequinha, mas  nunca foi instaurado inquérito e ele  nunca sequer foi ouvido sobre o assunto*. O terceiro posseiro era Marabá, irmão de Zé Cláudio.

Quando souberam que os três haviam sido expulsos, Maria e Zé Cláudio os orientaram a voltar. “Isso não causou um sentimento de injustiça no senhor?”, perguntou o juiz Murilo Lemos Simão a José Rodrigues, no julgamento. “Não senhor. Entreguei a deus. Fiquei esperando pela Justiça de deus e pelos homens aqui da terra.”

Tadeu afirmou, no tribunal, ter ouvido várias ameaças ao casal, por parte de José Rodrigues. “Ele dizia que podia até perder a terra, mas que eles iam pagar. Dizia que a batata deles estava assando.” “Eu nunca ameacei ninguém. Sou pessoa de paz, sou trabalhador”, sustentou José Rodrigues em uma longa reza, com direito a choro e bíblia, no tribunal. O Conselho do Júri de Marabá acreditou nele. José Rodrigues foi absolvido de ser o mandante do assassinato de José Cláudio e Maria do Espírito Santo. Seu irmão, Lindonjonson, foi condenado a 42 anos de prisão. Alberto Lopes do Nascimento, também acusado de ser o executor, foi condenado a 45 anos, porque o júri decidiu que ele havia usado meios cruéis. A orelha de Zé Cláudio foi cortada depois dos tiros, enquanto ele ainda vivia, e o júri concluiu que quem fez isso foi Alberto – contra quem menos havia provas no inquérito.

O júri concluiu que as mortes aconteceram pela disputa da terra. Mas não condenou quem foi, neste caso, o principal beneficiado pelo crime. O juiz, em sua sentença, atribuiu aos mortos a responsabilidade pelo seu assassinato. “O comportamento da vítima contribuiu, de certa maneira, para o crime, pois, conforme declarado em plenário pela testemunha José Maria, a vítima enfrentou o irmão do acusado Lindonjonson, o corréu José Rodrigues Moreira, tentando fazer justiça pelas próprias mãos, utilizando terceiros (posseiros/sem-terra) para impedir o corréu de ter a posse de um imóvel rural, acarretando assim o agravamento do conflito fundiário, quando a vítima poderia ter procurado o apoio das autoridades constituídas para acionar na justiça a ação do corréu”, escreveu ele. Ignorou, assim, todos registros de que as vítimas procuraram, várias vezes, as autoridades constituídas para impedir que ilegalidades ocorressem no assentamento.

No dia 14 de dezembro, o Incra incluiu a esposa de José Rodrigues, Antônia Nery de Sousza, com esta grafia, na lista de beneficiados pela reforma agrária. Assentou Antônia Nery no PAE Praia Alta Piranheira. Procurado pela imprensa, o Incra informou que o processo administrativo em questão não está concluído. “Embora a sra. Antonia Nery, na condição de titular requerente da regularização, não esteja arrolada no processo criminal citado na matéria, a Superintendência Regional do Incra de Marabá identificou a situação de impedimento do cônjuge, sr. José Rodrigues Moreira. A partir dessa identificação, no dia 20 de fevereiro de 2013, encaminhou o processo administrativo à Procuradoria Federal Especializada para ajuizamento de ação judicial visando a retomada do imóvel ocupado pela sra. Antonia Nery”, afirma a nota do Incra.

A história não se encerra com o julgamento dos dias 3 e 4 de abril. O Ministério Público recorreu contra a absolvição de José Rodrigues – e os advogados de Lindonjonson e Alberto Lemos, contra sua condenação. A situação das terras, no assentamento, está sob investigação do Incra. Somente no dia 22 de março de 2013, oito anos depois da denúncia de Maria do Espírito Santo e quase dois depois de sua morte, o órgão determinou a constituição de um grupo de trabalho para realizar uma supervisão no PAE Alta Piranheira, a fim de verificar as irregularidades na ocupação das terras. O grupo tem 60 dias, a partir de sua criação, para apresentar seu relatório.

José Rodrigues, em entrevista à RBA TV, na semana seguinte ao julgamento, disse que vai voltar para lá. Francisco Tadeu vive em outro estado desde o assassinato. A família de Zé Cláudio – sua mãe, irmãos e irmãs – abandonou suas terras no assentamento depois do crime, por medo. A mãe e irmãs moram, de favor, em uma casa na periferia de Marabá. Agora, querem reabrir a casa onde o viviam Zé Cláudio e Maria e criar, ali, uma escola de educação ambiental.

Laísa Santos Sampaio, irmã de Maria, saiu da cidade depois do julgamento – ela é ameaçada de morte. Seu cachorro foi cachorro morto a tiros. Ela recebeu bilhetes dizendo para se calar e recados em viva voz para tomar cuidado, trazidos por pessoas do assentamento. “Recebi ameaças dizendo que iam varrer minha família da região”, diz. Ela quer voltar para casa. Mas sabe que poderá encontrar, no assentamento, o acusado de matar sua irmã. Sabe, também, que a qualquer fiscalização do Ibama sobre madeireiros e carvoarias, o que se dirá, no assentamento, é: “foi a Laísa quem denunciou”. Se o Incra não confirmar a homologação de Ana Nery como assentada em Praia Alta Piranheira, em que situação fica Laísa? E se homologar? José Rondon, seu marido, permanece no lote do casal, onde cuida da floresta, planta árvores e alimento. “Não saio antes de acabar a colheita da andiroba”, disse a alguém que lhe sugeriu passar um tempo fora, depois do julgamento.

E Nilton? “Não posso voltar para casa. Com o mandante solto, do crime, eu vou fazer o que em casa? Eu acreditava na Justiça, agora depois do que aconteceu fiquei em dúvida. Eu estava confiando na lei. Todo mundo confiante de que a justiça ia fazer a coisa certa. Mas o júri não fez o trabalho que era para ser… Mas não, só prendeu os criminosos. O mandante, não. O mandante está solto para poder matar mais gente. Minha vida está em mais risco.” Nilton não é ativista nem ambientalista. “Fui depor porque eu morava lá dentro e eu achei aquela morte muito cruel. Uns bandidos daqueles não podem estar soltos, porque a mesma coisa que eles fizeram lá podem fazer outra família. Eu tenho meus parentes, tenho minha família. Se alguém fizer um negócio desses aí e uma pessoa testemunhar a meu favor eu vou ficar muito grato, muito agradecido. Se todo brasileiro chegasse a denunciar… mas com uma história dessa, quem vai ter coragem de depor para alguém, se não tem justiça aqui?”

* Informação acrescentada dia 09/05/2013

 

Matéria publicada, com edição para poder caber nas páginas, na Revista do Brasil, em maio de 2013. http://www.redebrasilatual.com.br/revistas/83/onde-os-justos-nao-tem-vez

Reurbanização de favelas? Não, PM.

O prefeito Gilberto Kassab retirou, esta semana, recursos orçamentários da habitação para poder pagar policiais militares. A prefeitura remanejou R$ 22,198 milhões do programa de Urbanização de Favelas (R$ 15 milhões) e do programa Mananciais, que também é de urbanização de favelas, em áreas de mananciais (R$ 7,198 milhões). Exatamente este valor foi alocado para pagar a Operação Delegada, convênio com o governo do Estado para colocar a PM nas ruas, a fim de combater o comércio ambulante.

 A mudança foi embutida em um decreto tpublicado no dia 4 de dezembro, para remanejar recursos do serviço da dívida para ampliar as verbas de saúde em R$ 87,5 milhões. Veja abaixo o texto do decreto.

DECRETO Nº 53.602, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2012

Abre Crédito Adicional Suplementar de R$ 134.261.494,47, de acordo com a Lei nº 15.520/12. GILBERTO KASSAB, Prefeito do Município de São Paulo, usando das atribuições que lhe são conferidas por lei, na conformidade da autorização contida na Lei nº 15.520, de 05 de janeiro de 2012, e visando possibilitar despesas inerentes às atividades das Secretarias e da Autarquia Hospitalar Municipal,

D E C R E T A:

Artigo 1º – Fica aberto crédito adicional de R$ 134.261.494,47 (cento e trinta e quatro milhões duzentos e sessenta e um mil e quatrocentos e noventa e quatro reais e quarenta e sete centavos), suplementar às seguintes dotações do orçamento vigente:

01.10.10.302.1111.4103 Oper./Manut. Unidades Hospitalares, Pronto Socorros e Pronto Atendimento
33503900.00 Outros Serviços de Terceiros – Pessoa Jurídica 7.994.852,96

12.10.06.181.1170.8020 Ações Integradas de Segurança Pública – Convênio SSP/SP
33903900.00 Outros Serviços de Terceiros -Pessoa Jurídica 22.198.538,87

18.10.10.301.1111.4111 Implementação e Manutenção da Estratégia Saúde da Família
33503900.00 Outros Serviços de Terceiros – Pessoa Jurídica 12.000.000,00

18.10.10.301.1111.4123 Implantação e Manutenção da Assistência Médica Ambulatorial – AMA
33503900.00 Outros Serviços de Terceiros – Pessoa Jurídica 64.000.000,00

18.10.10.302.1111.4103 Oper./Manut. Unidades Hospitalares, Pronto Socorros e Pronto Atendimento
33903900.00 Outros Serviços de Terceiros -Pessoa Jurídica 2.499.173,63

18.25.10.301.1111.4101 Operação e Manutenção de Unidades de Saúde
33903900.00 Outros Serviços de Terceiros -Pessoa Jurídica 1.000.000,00

18.27.10.122.2610.4100 Coordenação e Administração Geral
33903900.00 Outros Serviços de Terceiros -Pessoa Jurídica 510.621,03

28.17.28.122.0000.0046 Outras Dívidas
33909200.00 Despesas de Exercícios Anteriores 24.058.307,98

total: 134.261.494,47

 Artigo 2º – A cobertura do crédito de que trata o artigo 1º far-se-á através de recursos provenientes da anulação parcial, em igual importância, das seguintes dotações:

14.10.16.451.1131.1277 Urbanização de Favelas
44903900.00 Outros Serviços de Terceiros – Pessoa Jurídica 10.000.000,00
44905100.00 Obras e Instalações 5.000.000,00

14.10.16.482.1220.1254 Programa Mananciais
44903900.00 Outros Serviços de Terceiros – Pessoa Jurídica 5.000.000,00
44905100.00 Obras e Instalações 2.198.538,87

18.27.10.122.2610.4100 Coordenação e Administração Geral
33903000.00 Material de Consumo 393.457,35
33903300.00 Passagens e Despesas com Locomoção 173,00
44905200.00 Equipamentos e Material Permanente 4.490,68

18.27.10.301.1111.4101 Operação e Manutenção de Unidades de Saúde
33903900.00 Outros Serviços de Terceiros -Pessoa Jurídica 82.000,00
33904800.00 Outros Auxílios Financeiros a Pessoas Físicas 6.000,00
44905200.00 Equipamentos e Material Permanente 24.500,00

28.17.28.841.0000.0008 Serviço da Dívida Pública Interna – Refinanciamento
32909200.00 Despesas de Exercícios Anteriores 87.494.026,59
46907100.00 Principal da Dívida Contratual Resgatado 24.058.307,98

 total: 134.261.494,47

 Artigo 3º – Este decreto entrará em vigor na data de sua publicação.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, em 4 de dezembro de 2012, 459º da fundação de São Paulo.

GILBERTO KASSAB, Prefeito

MAURO RICARDO MACHADO COSTA, Secretário Municipal de Finanças

RUBENS CHAMMAS, Secretário Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão

RONALDO SOUZA CAMARGO, Secretário Municipal de Coordenação das Subprefeituras

JANUARIO MONTONE, Secretário Municipal da Saúde

NELSON HERVEY COSTA, Secretário do Governo Municipal

Publicado na Secretaria do Governo Municipal, em 4 de dezembro de 2012.

Por favor, onde é o Serviço de Acesso à Informação?

No mês passado, eu e a Daniela Mattern, do IT3S, fizemos um levantamento para saber que estados criaram, de acordo com o artigo 9o. da Lei de Acesso à Informação (12.527/2011), os Serviços de Informação ao Cidadão (SICs). Qualquer cidadão brasileiro pode requerer informações independente da existência dos SICs desde maio, quando a lei entrou em vigor. Esses serviços, no entanto, facilitam os pedidos de acesso e seu acompanhamento.

O artigo 9o. da lei diz que o acesso às informações será assegurado pela “criação de serviço de informações ao cidadão, nos órgãos e entidades do poder público, em local com condições apropriadas para: a) atender e orientar o público quanto ao acesso a informações; b) informar sobre a tramitação de documentos nas suas respectivas unidades; c) protocolizar [existe esta palavra?!] documentos e requerimentos de acesso a informações”.

A Lei de Acesso vai mais longe. Ela obriga, em seu artigo 8o., a divulgação das informações de interesse coletivo (e das informações produzidas e custodiadas pelo poder público) em “sítios oficiais da rede mundial de computadores (internet)”. E estabelece os seguintes requisitos: os sites devem “conter ferramenta de pesquisa de conteúdo que permita o acesso à informação de forma objetiva, transparente, clara e em linguagem de fácil compreensão”. E as informações não precisam ser pedidas somente pela internet. O mesmo artigo 8o. determina que os órgãos públicos indiquem “local e instruções que permitam ao interessado comunicar-se, por via eletrônica ou telefônica, com o órgão ou entidade detentora do sítio”.

Lá no artigo 10, a lei volta a este tema: estabelece que “qualquer interessado poderá apresentar pedido de acesso a informações aos órgãos e entidades referidos no art. 1o desta Lei, por qualquer meio legítimo, devendo o pedido conter a identificação do requerente e a especificação da informação requerida” e que “os órgãos e entidades do poder público devem viabilizar alternativa de encaminhamento de pedidos de acesso por meio de seus sítios oficiais na internet.

O que fizemos?

Procuramos, na internet, nos portais dos governos de estado, quais estão cumprindo a lei. Nosso pressuposto era simples: o de que deveriam ter sido criados SICs de fácil acesso, visíveis nos sítios eletrônicos do governo e com orientações claras para a realização de pedidos. O serviços são importantes para incentivar que mais cidadãos façam uso da lei. E seu uso é importante porque contribui para criar uma cultura de acesso e abertura de dados. Então, visibilidade, facilidade de acesso, clareza, possibilidade de acompanhamento dos pedidos — e não estabelecimento de nenhuma restrição a não ser as previstas na lei — foram alguns dos critérios que usamos. Fizemos uma tabela com as seguintes perguntas:

1. Existe um selo de Acesso à Informação com link na home do governo do estado?
A referência que usamos aqui foi a do governo federal – a CGU fez com que todos os portais tenham, em sua homepage, um banner de “Acesso à Informação”, a partir do qual se pode entrar no Serviço de Informações ao Cidadão.

2. Existe um SIC central e um órgão superior responsável pela implantação da lei?
Se existem somente SICs descentralizados, o cidadão precisa saber de antemão em qual órgão a informação de que ele necessita está. E, para controlar como o estado está – ou não – cumprindo a lei, é preciso entrar nos sites de todos os órgãos. Voltaremos a isso na pergunta 4.

3. Eu tenho várias opções para realizar meu pedido? (pessoalmente, por telefone, carta, internet)
… como determina o artigo 8o. da lei?

4. Como preciso me identificar para pedir a informação? Há uma opção de sigilo? 
Isso é importante e tem a ver com a regulamentação da lei. A lei estabelece que, para fazer um pedido, é necessária “a identificação do requerente”. Sem mais. Isso quer dizer que se eu me identifico – Patrícia Cornils – identificada estou. Pelo menos era assim que eu considerava. Mas, como explica minha amiga Liane Lira, da Transparência Hacker, há dois absurdos em ter que se identificar. O primeiro é jurídico. Se a informação é pública, se é de interesse coletivo, se pertence ao cidadão… porque a pessoa que pede acesso a ela precisa se identificar? O segundo absurdo é político. Em informações que envolvem conflito, interesses econômicos, interesses políticos, a obrigatoriedade de se identificar ao Estado pode, na prática, impedir o acesso.
A regulamentação da lei, no Poder Executivo federal (Decreto 7724/2012), exige ainda mais. Um “número de documento de identificação válido”. Por que?
 Não sei. O Rio de Janeiro se esmerou ainda mais: colocou um verdadeiro “olhalá o que você vai fazer!” no  decreto que regulamenta a lei (43.597/2012) para os órgãos do Poder Executivo. O decreto exige, como condição para a apresentação de um pedido de acesso, o preenchimento de um termo no qual o cidadão se responsabiliza, “integralmente e a qualquer tempo pela adequada utilização das informações a que tiver acesso”. “Estou ciente de que posso vir a ser responsabilizado por danos morais e materiais decorrentes da utilização, reprodução ou divulgação indevida dessas informações”, diz o termo. Que medo.
A regulamentação pode contrariar o espírito da lei – prover amplo acesso à informação pública. E isso mostra como o Estado se defende da nova cultura que a lei pretende criar.

5. Eu tenho que saber em que órgão está a informação que eu preciso?
Não faz parte da ideia de acesso à informação que os cidadãos sejam obrigados a conhecer a estrutura do Estado e tenham, para poder fazer um pedido, que descobrir obrigatoriamente que órgão produz ou custodia as informações de que ele precisa. A lei não obriga o poder público a informar onde estão seus dados (a não ser mediante um pedido de acesso). Mas um Estado que queira cumprir a lei não deveria obrigar os cidadãos a serem especialistas em bases de dados públicas. Este foi o raciocínio que levou a esta pergunta.

6. Há um catálogo dos dados públicos do estado?
Não conseguimos apurar isso devidamente. Mas, pelos motivos acima, um catálogo de dados é fundamental para que se saiba que tipo de informação, onde, em que formato, com que periodicidade o Estado produz.

7. Existe um campo de busca, no Serviço de Informações ao Cidadão, para eu pesquisar onde estão os dados sobre temas que me interessam?
Se eu quero saber sobre “Saúde”, posso ver uma lista de dados disponíveis?

8. Eu recebo um número de protocolo ou confirmação que meu pedido foi recebido?
9. Eu consigo acompanhar o estágio de meu registro?
Para que ele não fique perdido em escaninhos digitais ou concretos, para que o cidadão acompanhe seu pedido, verifique se o órgão solicitado cumpre os prazos da lei, para que o cidadão não perca os prazos de recurso.

10. Os formulários e páginas são intuitivas, existe uma ajuda pro usuário?
Não adianta ter um SIC maravilhoso se é muito difícil entender como ele funciona. E está lá no artigo 8o.: “de forma onjetiva, clara e linguagem de feacil compreensão”.

11. Há uma opção para reclamar de bugs/sugerir melhorias para a ferramenta?
Por que se a ideia é estabelecer um serviço útil, que funcione… nada melhor do que abrir interlocução com que vai usá-lo, né? Em São Paulo, por exemplo, onde há um SIC fácil de usar e que funciona, não há como registrar um recurso por conta de um pedido não respondido. Os desenvovedores do site só previram a possibilidade de recurso quando há uma resposta negativa. Para recorrer em caso de não-resposta, o que se faz?

Algumas coisas que nosso levantamento apontou:

  • Governos que organizaram um SIC estadual: AL, AP, BA, ES, PB, PR, RS, SC, SP, SE, TO (11)

.
  • Governos que não têm SIC: AC, AM, CE, DF, GO, MA, MT, MS, PA, PE, PI, RJ, RN, RO (14)

.
  • Não conseguimos averiguar: MG (o Fale Conosco, que seria o SIC estadual, não estava no ar) e RR (as páginas do governo não carregam).
  • Mesmo em estados que criaram seus SICs, encontrá-los pode ser uma tarefa complicada. Na Paraíba, por exemplo, não há, na homepage do governo do estado, um link ou um banner para o SIC. Há um link para o Portal da Transparência. No Portal da Transparência há um banner para o SIC-PB, que não funciona. Para acessar o SIC-PB, o cidadão deve acessar -> Indiretas -> CODATA -> Informações ao Cidadão. Lá ele encontra um link para o SIC-PB  que fica em um IP sem domínio próprio: http://200.164.109.29/sicpb/ .
    No Paraná, o serviço existe, mas não como Serviço de Informação ao Cidadão, mas dentro do Portal da Transparência. No Portal da Transparência, no menu lateral, há um botão para Solicitação de Informações que direciona à página onde pode ser preenchido um formulário de pedido à informação.
  • Não há um padrão de nome para o Serviço de Acesso à Informação e nem para o que é um Pedido de Acesso à Informação. Em Goiás, um pedido de acesso é uma “Manifestação” e o caminho para realizá-lo é um um serviço de “Manifestações” da Ouvidoria. “As manifestações (Elogio, Denúncia, Requerimento L.A.I., Reclamação, Sugestão e Informações) serão encaminhadas aos órgãos e entidades que compõem a estrutura organizacional do Poder Executivo Estadual (…)”. http://www.cgego.com.br/ouvidoria/index.php
  • A regulamentação da lei é feita das mais variadas formas: decretos, projetos de lei, normas internas. Em alguns estados, ela não foi regulamentada. O fato de um estado ter regulamentado o acesso à informação não necessariamente diz que foi criado o Serviço de Informação ao Cidadão. Estados que regulamentaram e tem um serviço de acesso: Rio Grande do Sul e São Paulo. Estados que regulamentaram e ainda não criaram o SIC: Rondônia e Pernambuco.
  • Há também diversidade dos órgãos responsáveis pela implementação da lei no Poder Executivo. O mais comum é que sejam as Ouvidorias e Controladorias. Mas em São Paulo, por exemplo, é o Arquivo Geral do Estado. No Rio Grande do Sul, a Casa Civil.
  • Há confusão entre “Acesso à Informação”, que diz respeito a toda informação não sigilosa e não pessoal produzida pelo poder público e “Transparência”, no sentido em que o termo foi adotado aqui, de controle social do uso dos recursos públicos. Em muitos estados, o link pra o SIC está nos portais de Transparência. Limitar a Lei de Acesso a este entendimento é reduzir seu alcance. Outro exemplo de redução do alcance da lei é o Rio Grande do Norte: o estado publicou os salários de seus servidores públicos, depois da entrada em vigor da Lei de Acesso. Mas não criou o Serviço de Acesso à Informação.
  • Outro exemplo de falta de entendimento sobre a lei (ou de “Veja Bem!”) é um esclarecimento publicado no portal do Acre – que ainda não conta com seu Serviço de Informação ao Cidadão. Na página de “Perguntas Frequentes” sobre a Lei de Acesso à Informação há a seguinte pergunta: “Posso solicitar o acesso a qualquer informação?” E a resposta é: “Não. O acesso a informação não compreende as informações cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado. Assim, só será possível o acesso a informações que não tenham sido classificadas como sigilosas. Havendo informações que sejam somente parcialmente sigilosas, é assegurado o acesso à parte não sigilosa por meio de certidão, extrato ou cópia com ocultação da parte sob sigilo.http://migre.me/c43By .
    O espírito da lei é exatamente o contrário: você pode solicitar qualquer informação, a publicidade é a regra e o sigilo é a exceção. A reposta da CGU à mesma pergunta é: “Como princípio geral, sim, salvaguardando-se as informações pessoais e as exceções previstas na lei. A informação produzida pelo setor público deve estar disponível a quem este serve, ou seja, à sociedade, a menos que esta informação esteja expressamente protegida. Daí a necessidade de regulamentação, para que fique claro quais informações são reservadas e por quanto tempo.
  • Nos estados que regulamentaram a lei, ou que criaram seus Serviços de Informação ao Cidadão, prevalece o entendimento de que não é possível pedir informações anonimamente. Há interpretações radicais, como a do Rio de Janeiro (pergunta 4), que exige, além da identificação, o Termo de Responsabilidade. Nos estados de AP, PB, PA, RJ, RO, SC, SP, TO é preciso de um documento válido, obrigatoriamente, para fazer um pedido de acesso.
Somente AL, ES, MG, RS e SE permitem pedidos sem necessariamente número de documento Há opção de anonimato somente na BA, CE e MT. No Mato Grosso, se você aperta o botão de anonimato, o formulário continua o mesmo – então é ficção. E em Goiás há opção de anonimato para solicitações, denúncias… mas não para pedido de acesso à informação.

Anonimato – Bahia, Ceará
Identificação sem documento – AL, ES, MG, RS e SE
Identificação + Documento – AP, PB, PA, RJ, RO, SC, SP, TO
Identificação + Documento + Cópia do documento + Termo de Responsabilidade – RJ

Ainda há muito o que levantar e avaliar para entender como a implementação da lei está acontecendo no Brasil. Dentro de cada governo estadual há os sites das secretarias.

Nos estados, municípios e a nível nacional há os poderes Legislativo e Judiciário, sobre os quais a lei também incide. É preciso avaliar se os prazos são cumpridos, se as informações cedidas têm qualidade. Este é somente um bit, em um contexto que é grande e que está em movimento. É nossa contribuição. No dia 24 de novembro, a Daniela Mattern apresentou o levantamento no Seminário E-Democracia, na Assembleia Legislativa de São Paulo. A apresentação está aqui. E a tabela com os resultados da pesquisa está aqui.

Críticas, elogios, palpites, ideias de como continuar são muito bem-vindos. :)

Mais terra, mais terra, my precious…

Abundância de terras, grilagem, cultura extensiva, monocultura. Prezados senhores ruralistas, o problema não é ocupar ainda mais terras com suas atividades. Não é garantir um maior retorno sobre seu capital (que hoje não é tão escasso assim) sempre em detrimento de bens comuns — nossos recursos naturais — e de direitos das populações originais e tradicionais do Brasil, garantidos em Constituição. Produzam mais com as terras que têm! Prezado senhor governo… séculos de ciclos econômicos, de altos e baixos, e o senhor não consegue perceber que restringir latifúndios é necessário?

(…) “Observação idêntica se poderia fazer relativamente à terra. É evidente que se esta fosse escassa, concluída sua ocupação, os empresários seriam induzidos a melhorar os métodos de cultivo e a intensificar a capitalização para aumentar os rendimentos. Por outro lado, a ocupação de solos de qualidade inferior iria elevando a renda da terra, isto é, obrigaria o empresário a transferir para o proprietário da terra uma parcela crescente de seus lucros. Para defender-se contra essa pressão da renda da terra o empresário seria levado a intensificar os cultivos, ou seja, a aumentar a dose de capital imobilizado por unidade de terra cultivada. Ora, a terra mais ainda que a mão-de-obra existia em abundância, desocupada ou subocupada na economia de subsistência. O empresário tratava de utilizá-la aplicando o mínimo de capital por unidade de superfície. Sempre que essa terra dava sinais de esgotamento, se justificava, do ponto de vista do empresário, abandoná-la, transferindo o capital para solos novos de mais elevado rendimento. A destruição de solos que, do ponto de vista social, pode parecer inescusável, do ponto de vista de um empresário privado, cuja meta é obter o máximo de lucro de seu capital, é perfeitamente concebível. A preservação do solo só preocupa o empresário quando tem um fundamento econômico. Ora os incentivos econômicos o induziam a estender suas plantações, a aumentar a quantidade de terra e de mão-de-obra por unidade de capital.

As condições econômicas em que se desenvolvia a cultura do café não criavam, portanto, nenhum estímulo ao empresário para aumentar a produtividade física, seja da terra seja da mão-de-obra por ele utilizadas. Era essa, aliás, a forma racional de crescimento de uma economia onde existiam desocupadas ou subocupadas terras e mão-de-obra, e onde era escasso o capital. Pode-se argumentar, evidentemente, que a destruição consciente dos solos seria de efeitos negativos a longo prazo. Nem por isso se poderá deixar de reconhecer que o método da cultura extensiva possibilitava um volume de produção por unidade de capital – fator escasso – muito superior ao que se lograria com métodos agrícolas extensivos. A situação pode ser perfeitamente assimilada à de uma indústria extrativa, pois o esgotamento de uma reserva mineral representa a alienação de um patrimônio cuja ausência poderá ser lamentada pelas gerações futuras .”(…)

Celso Furtado, a Formação Econômica do Brasil, sobre a cultura extensiva do café.

Pernambuco, cadê o Serviço de Acesso à Informação?

A Assembleia Legislativa de Pernambuco aprovou no dia 17 o Projeto de Lei 915/2012, para regulamentar a Lei de Acesso à Informação no estado. Pernambuco tem um Portal da Transparência desde 2007, onde há uma lista dos portais dos demais órgãos do governo.

Para quem quiser saber mais sobre o governo, entender informações disponíveis no portal, achar informações que não estão visíveis, a transparência não é das maiores. Somente duas, das 27 secretarias do governo, têm um link de “Acesso à Informação” e um formulário para que os cidadãos enviem seus pedidos de acesso. Uma é a Secretaria do Governo, cujo sistema, no entanto, não envia ao cidadão nenhum comprovante de que ele efetuou seu pedido. A outra é a Secretaria da Casa Militar, cujo link de “Serviço de Informação ao Cidadão – e-SIC” leva a um formulário de “Fale Conosco” em que a única opção de assunto é “Fale com o Secretário”. Na Secretaria Extraordinária da Copa 2014 há um link de “Transparência”, mas a página está “em manutenção, breve novo conteúdo”.

A lei aprovada no dia 17 incumbe a Secretaria da Controladoria Geral do Estado — que não tem nenhum link para pedidos de acesso em sua homepage – de coordenar as ações para a implementação da Lei de Acesso em Pernambuco. No portal da Assembleia, onde está sua tramitação, o parecer do relator da Comissão de Finanças, Orçamento e Tributação, deputado Carlos Santana, informa que, anexo ao projeto de lei, o governo mandou um relatório onde há o custo de implementação da Lei de Acesso, somente com os cargos criados para as pessoas que vão assumir a tarefa. Serão R$ 3,876 milhões ao ano, com 44 cargos de assessoramento e 89 funções gratificadas de supervisão. A criação dos cargos está na lei. Tomara que contratem logo o pessoal, porque há muito a fazer.

Fiquei sabendo de tudo isso porque estou fazendo, com a Daniela Mattern, do Mootiro Maps, um levantamento sobre como os Serviços de Acesso à Informação nos governos de estado. Dá um trabalho enorme, cansa, mas logo vamos colocar o mapa e a tabela no ar – e pedir ajuda para levantar nos demais poderes (Legislativo, Judiciário) e em autarquias, fundações etc de cada estado se há ou não maneira fácil e clara de pedir informações públicas conforme a Lei de Acesso à Informação. Haja clique.

Uma operação delegada, um discurso de segurança.

No dia 28 de junho deste ano, o governador Geraldo Alckmin mandou à Assembleia Legislativa de São Paulo um Projeto de Lei Complementar para mudar a lei de 1968, que define o regime de trabalho dos policiais militares. O governo de São Paulo pretende, assim, estender para dezenas de municípios do estado uma iniciativa batizada de Atividade Delegada, um convênio firmado entre governo e prefeituras para que policiais militares trabalhem, em seus horários de folga, para o município. Usando armamento, farda e sob o comando da PM.

Este é um dos pontos mais propagandeados da política de segurança do governo do estado e funciona desde 2009 na capital paulistana. O projeto de Alckmin vai regulamentar, de forma mais ampla, a atividade. Hoje, o Regime Especial de Trabalho Policial proíbe os PM de exercer outra atividade remunerada, com exceção de ensino e difusão cultural. O PLC 31/2012 estabelece uma nova exceção, a do trabalho na “manutenção da ordem pública” — voltaremos a isso linhas abaixo.  A Operação Delegada – nome que a atividade recebeu na capital de São Paulo – vigora aqui desde 2010. Os PMs podem trabalhar por no máximo 12 dias por mês e a carga horária não pode passar de oito horas por dia. Hoje, 4 mil policiais militares fazem este bico institucionalizado e trabalham, nas ruas da cidade, para a prefeitura.

Um dia antes de o projeto ser encaminhado à assembleia, a Folha de S.Paulo reportava o incêndio de nove ônibus em São Paulo em 13 dias de junho; a morte de quatro jovens, com idades entre 16 e 20 anos, na terceira chacina na região metropolitana e a morte de seis PMs a trabalho, fora de seu horário de trabalho, em apenas 11 dias de junho (13 a 23). Neste contexto, de conflito mal esclarecido envolvendo mortes de suspeitos de crimes, criminosos condenados e de policiais, e em meio a um processo eleitoral, medidas para botar a polícia na rua são bem recebidas pela população. A cidade tem medo. A segurança é apontada como o principal problema da rede de serviços municipais por 16% dos eleitores, segundo pesquisa Datafolha, depois somente da saúde (26%) e antes do transporte (15%). E não é de hoje: desde 2007 a segurança encontra-se neste patamar de preocupação entre os paulistanos.

Eleição

Sensíveis a isso, os dois candidatos que disputam a prefeitura em segundo turno, Fernando Haddad e José Serra, se comprometem a manter e ampliar Operação Delegada. Serra, com maior ênfase. No primeiro debate do segundo turno, ele reivindicou a paternidade do programa – “foi criada na minha gestão como governador”. E disse que há 8 mil PMs inscritos na operação, mais 4 mil nas ruas. “Se for eleito, vou reforçar a iniciativa.”

Polícia Militar na rua, por meio de convênios com o estado, é uma bandeira do governo de Geraldo Alckmin agitada por candidatos a prefeito de muitas cidades. Uma busca rápida no Google, durante o primeiro turno, mostrava dezenas de exemplos. Candidatos de vários partidos em Araras, Bauru, Guaratinguetá, Limeira, Mauá, Rio Preto, São Bernardo apresentam, como proposta de governo, a implantação da atividade delegada, que hoje só opera em São Paulo e em Mogi das Cruzes. De acordo com o governador, em junho a Secretaria de Seguranca Pública analisava propostas de convênios em 43 cidades.

Há, no entanto, um problema. A lei. De acordo com o deputado major Olímpio Gomes (PDT), o projeto de Lei Complementar de Alckmin é “extremamente contestável, sob o aspecto da legalidade”. A proposta do governador à Assembleia, em junho, tem dois artigos e, apesar de ter como finalidade expandir a operação para mais municípios, sequer faz uma citação textual da atividade delegada. Apenas altera o Regime Especial de Trabalho Policial. O novo texto autoriza o trabalho remunerado em atividades “decorrentes de convênio firmado entre o Estado e municípios para a execução, pela Polícia Militar, de serviços imprescindíveis à preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio”. O problema é que a manutenção da ordem pública já é, de acordo com a Constituição (Art. 144 par. 5), atribuição das polícias militares. Por que, então, o município delegaria esta função à PM e, além disso, pagaria para que os policiais trabalhassem em algo que é responsabilidade do estado? “Os convênios podem ser contestados como improbidade dos gestores públicos municipais”, alerta o major Olímpio.

O deputado não é contrário à operação, porque sabe que os policiais precisam complementar seus salários. É contrário ao arranjo que foi inventado para tornar isso possível, como deixou claro na sessão da Assembleia Legislativa, dia 27 de agosto. “(…) entendo ser um absurdo o estado querer jogar para o município responsabilidade que é sua. Mas que em não havendo tratamento digno do governo em relação aos policiais, os policiais querem fazer um bico de qualquer natureza e fazem. Se vira um bico oficial pago pela prefeitura algo mais garantido, viva o bico, porque a necessidade existe.”

A prefeitura de São Paulo empenhou, desde 2010, R$ 268,8 milhões para o pagamento dos policiais da Operação Delegada. Foram R$ 34,5 milhões em 2010, R$ 113,38 milhões em 2011 e, até setembro, R$ 120,8 milhões em 2012. Publicado pelo Diário Oficial em 01/12/2009, o convênio paulistano tem um objetivo mais específico do que a “manutenção da ordem pública”. Sua meta, define o texto, é “implementar o Programa de Combate ao Comércio Ambulante Irregular ou Ilegal em Regiões Críticas do Município com o emprego de policiais militares, fardados e munidos do equipamento de proteção individual, em escala especial, em locais a serem especificados.

R$ 300 milhões para tirar camelôs, R$ 1 milhão para apoiar microempreendimentos.

Isso significa, na prática, que a cidade de São Paulo investiu quase R$ 300 milhões, nos últimos três anos, para tirar camelôs das ruas. Os ambulantes foram o principal alvo da política de segurança urbana e ordem pública do prefeito Gilberto Kassab. A Operação Delegada começou expulsando os “paraquedas” – vendedores sem licença que expõem suas mercadorias em panos estendidos no chão. Fechou os bolsões de camelôs, que operavam por decreto da prefeitura, mas sem termos de permissão de uso (TPUs). E finalmente, em 19 de maio, emitiu um decreto que cassou cerca de 2 mil TPUs, dando aos ambulantes restantes um mês para sair das ruas. O cancelamento das TPUs foi suspenso, por liminar judicial. Enquanto isso, em 2012, o orçamento da prefeitura destinou R$ 150 milhões para a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, dos quais somente R$ 1 milhão a serem aplicados no programa São Paulo Confia – de apoio a micro e pequenos empreendedores.

Para a operação de “limpeza” das ruas, a prefeitura contou com os policiais da Operação Delegada e com o apoio das subprefeituras, administradas por coroneis reformados da PM em 30 das 31 regiões da cidade. Em Santo Amaro, o bolsão da Praça Salim Farah Maluf, criado por decreto (37.060/2007), foi igualmente fechado por decreto (52.821/2011). Seus 178 quiosques foram derrubados, com apoio da PM, em abril. “Tentamos explicar ao subprefeito, coronel Roberto Costa, que estávamos ali há dez, doze anos, que o bolsão foi organizado, depois pela prefeitura, que mais de 280 pessoas iam ficar sem trabalho”, conta José Gomes da Silva, presidente do Sindicato dos Permissionários em Pontos Fixos nas Vias e Logradouros Públicos do Município de São Paulo (Sinpesp). “Agora só tem uma praça vazia, lá, e pessoas sem escolaridade, que só sabem assinar o nome, comprar e vender, ouvindo da prefeitura que têm que encontrar um emprego mais qualificado.”

Maldade, bondade, política.

Duas horas de entrevista e José Gomes, cansado, resume sua avaliação sobre a complicada situação judicial, de decretos feitos e desfeitos, permissões dadas e cassadas, trabalho sob liminar. “Onde já se viu um policial treinado, que deveria estar combatendo o crime, ficar correndo atrás de ambulante com sacolinha? Esse povo da prefeitura é gente ruim, que está aí para fazer o mal.”

Não se pode adjetivar de “maldade” ou “bondade” a política da prefeitura. Ela se fundamenta em uma ideia de cidade. E esta discussão deverá permanecer, depois da eleição. Os coroneis subprefeitos devem ser substituídos, mas o convênio pode ser renovado, por mais três anos, antes de dezembro. Parte dessa ideia de cidade é explicada pelo coronel Luiz Carlos dos Santos, presidente da Associação dos Oficiais da Polícia Militar. “Para fazer segurança pública há a necessidade de uma reorganização urbana. Tirar flanelinhas, prostitutas, oficinas de desmanche, atacar a pirataria. Feito isso, se implanta uma política de segurança”.

Para o coronel Luiz Carlos, a ferramenta mais eficiente da administração pública municipal é o Código de Postura – que disciplina o uso do espaço público da cidade, as licenças para este uso, a higiene pública, a tranquilidade pública. “É muito pouco usar os coroneis subprefeitos como zeladores, para podar árvores, realizar operações tapa buracos etc. (…) Pela larga experiência na área de segurança pública que possuem, deveriam atuar também em um programa de prevenção criminal, no uso rigoroso do Código de Postura Municipal”, escreve ele, em um artigo que me deu quando fui entrevistá-lo. Para ele, o uso do código combate “infrações menores [que] formam a desordem pública que gera o ambiente propício para a microcriminalidade que, por sua vez, deságua na prática de crimes de maior gravidade”.

Em uma coisa, pelo menos, José Gomes e o coronel Luiz Carlos concordam: a Operação Delegada acabou com o comércio ambulante em São Paulo, pelo menos por enquanto. “Talvez hoje ele não chegue a 5% do que era”, avalia José Gomes. “A Operação Delegada deu certo. A cidade está mais limpa, as calçadas mais livres, o atrito entre comerciantes formais e ambulantes diminuiu”, diz o coronel. Para José Gomes, no entanto, isso não significa o fim da história. Ele explica que é caro demais, para a prefeitura, manter os policiais na rua – medida necessária para que os ambulantes não retornem. Retirados os ambulantes, no entanto, a finalidade inicial da operação foi cumprida e policiais passam a fazer o que já é, de acordo com a lei, função da PM: policiamento preventivo, ostensivo, repressivo maior. Cuidar da ordem pública pagos, quando trabalham em suas horas de folga, pela prefeitura. É esta a política de segurança de que as cidades necessitam?

O uso político da PM
Além de implantar a Operação Delegada em São Paulo, o prefeito Gilberto Kassab adotou um critério nunca antes visto para nomear os subprefeitos da cidade. À frente de 30, das 31 subprefeituras, ele colocou coroneis reformados da Polícia Militar. Um dos argumentos usados por Kassab para nomear os coroneis foi a necessidade de evitar o loteamento das regiões da cidade entre vereadores. E, assim, impedir o uso político das subprefeituras.

Este foi o discurso público. O cálculo de Kassab, no entanto, era político desde o começo, avalia o deputado major Olímpio. “Ele vislumbrou uma possibilidade de se candidatar a governador e imaginou que, nomeando coroneis para seu staff, teria a PM apoiando sua campanha. Mas errou, porque os coroneis não foram necessariamente líderes ou respeitados pela corporação”, me disse quando me deu esta entrevista, em setembro. Em parte, sua avaliação estava correta: o coronel Álvaro Camilo, ex-comendante da PM, que se candidatou a vereador pelo partido de Kassab (PSD) e fez boa parte de sua campanha em cima da Operação Delegada, foi eleito como suplente, com 29,9 mil votos. Muito menos que o coronel Paulo Telhada, segundo candidato mais votado da coligação PSDB/PSD/PR/DEM. Telhada amealhou, com seu discurso de guerra, de que “a população está à mercê do crime”, de que “os bandidos querem implantar o terror em São Paulo” — de que, em resumo, bandido bom é bandido morto –, 89,05 mil votos.

Outro indicador da falácia do discurso sobre “não-política” é a participação dos subprefeitos-coroneis reformados na campanha eleitoral. Pelo menos dois deles – Marco Antonio , da Capela do Socorro e Márcio Campos Verde, de Pirituba/Jaraguá – podem ser vistos no Youtube, em eventos da campanha Avança São Paulo, de José Serra. Sete deles (Ailton Araujo Brandão, Izaul Segalla Junior, Nevoral Bucheroni, Paulo Regis Salgado, Roberto Ney Campanhã Marciano, Sérgio Teixeira Alves e Trajano Conrado Carneiro Neto) são filiados ao PSD, partido de Gilberto Kassab.

Uma dos documentos da prefeitura de São Paulo recebidos por moradores do Jardim Morgante.

Polícia, política, democracia.
“É como se tivesse todo mundo marchando junto, todo mundo usando o poder para atingir os outros”, conta a Nega, moradora, há 15 anos de uma favela no Jardim Morgante, Itaquera. A favela fica no final de uma rua onde há um templo da Assembleia de Deus do Ministério do Belém. Em 2009, ao mesmo tempo em que a prefeitura cedia parte do terreno onde ela se encontra, na forma de permissão, para a igreja fazer um estacionamento (cerca de 600 pessoas frequentam os cultos aos domingos), a Nega e seus vizinhos recebiam intimações para desocupar o local. O pastor da igreja, José Pereira da Silva, é um capitão reformado da PM. O subprefeito, um coronel. Ainda que os dois não se conhecessem, para Nega trata-se de um mesmo poder – o da prefeitura e o da polícia – tratando com desigualdade seus cidadãos.

O subprefeito de Itaquera, Paulo César Máximo, se recusou a participar de uma reunião convocada pelo Núcleo de Habitação e Urbanismo do Ministério Público Estadual com moradores da Comunidade da Paz, a Eletropaulo e a vereadora Juliana Cardoso (PT). “Ele me disse, da porta, pelo celular, que não iria debater com líderes comunitários nem vereadores”, recorda-se o promotor Maurício Ribeiro Lopes. A Comunidade da Paz está sob risco de incêndio e ameaçada de expulsão — mas nunca conseguiu conversar com representantes da prefeitura à respeito.

Isso se repete no discurso dos subprefeitos na CPI dos Incêndios em Favelas, da Câmara Municipal de São Paulo, em que defendem a tese de que os favelados seriam os principais interessados nas ocorrências. “O coronel Roberto Ney Campanhã, subprefeito do Jabaquara, afirmou que os moradores da favela Babilônia voltaram à área incendiada mesmo depois de receber R$ 4.200, o equivalente a doze meses de auxílio-aluguel da prefeitura. O coronel Luiz Massao Kita, subprefeito de São Miguel Paulista, disse que a ocupação de um terreno vazio da Votorantim que deu origem a favela Nair foi ‘orquestrada'; e o subprefeito da Vila Prudente, o tenente-coronel Roberto Alves dos Santos, relatou a presença de grande número de ligações clandestinas de energia na favela que ocupava uma praça pública há anos”, relata matéria da Rede Brasil Atual, publicada em 18 de outubro.

Ao falar dos subprefeitos, e de como foram formados, em sua vida profissional, estamos falando de um poder que subordina a ideia de cidade – um lugar de conflitos, de interesses contraditórios – à ideia de ordem pública. De segurança e não de saúde, educação, diversidade, ocupação de espaços públicos. Um dos efeitos disso é o deslocamento dos debates sobre a cidade para os Conselhos de Segurança, os Consegs. “Os Conselhos Comunitários de Segurança passaram a ser, nesses oito anos, os verdadeiros plenários populares da cidade”, lamenta o deputado Adriano Diogo (PT/SP). “Eu frequento o de Sapopemba e é lá que discutimos os temas da região.”

Esta confusão entre política de segurança e gestão da cidade também é uma herança da visão política de Kassab. E vai permanecer, com a Atividade Delegada, depois que ele deixar a prefeitura. Para o cientista político Eduardo Grin, que realizou uma pesquisa de mestrado na Universidade de São Paulo (USP) sobre a experiência de descentralização da administração nas subprefeituras em São Paulo, durante a gestão de Marta Suplicy, o apelo pela segurança pública e seu uso político está entronizado na cidade de São Paulo. E a forma de a prefeitura e o governo responderem a isso fere a dinâmica de um Estado democrático.

Primeiro, porque resulta no aumento da influência da PM, uma corporação forte, bem organizada e com seus próprios interesses, no poder público. Sem nenhuma contrapartida em termos de transparência e possibilidade de controle social, ao contrário. “Se o Estado não consegue dizer aos cidadãos o que seus aparatos internos fazem e como fazem, isso é preocupante”, afirma Grin.

Ainda mais preocupante dentro dessa lógica de que a sociedade é um ente coletivo que precisa de um grande Leviatã que a tutele e cuide dela, constata ele. E vai adiante: “Se um Estado define o que é o ‘bem público’ a seu modo, traz uma concepção de ordem de uma corporação e faz disso sua forma de lidar com os cidadãos, se não é receptivo aos movimentos sociais, desorganiza a forma da sociedade atuar”. E aí prevalece a lógica da não-política, a lógica tecnocrática, em que o poder público define seu próprio programa e o implanta – sem a participação da sociedade, observa Grin.

Fontes:
Deputado Major Olímpio
Coronel Luiz Carlos dos Santos, presidente da Associação dos Oficiais da Polícia Militar
Deputado Adriano Diogo
José Gomes da Silva, presidente do Sindicato dos Ambulantes
Nega, Jardim Morgante
Felipe Oliveira, Assembleia de Deus do Ministério do Belém
Eduardo Grin, cientista político
Portal do Orçamento da Prefeitura de São Paulo: Entrar em http://sempla.prefeitura.sp.gov.br/orc_homenew.php .  Escolher, nas abas laranjas, as variáveis. Depois, clicar em Projeto/ Atividade e ver a dotação: Ações Integradas de Segurança Pública – Convênio SSP SP.